Imprimir   Enviar a un amigo   Convertir a formato  PDF Bookmark and Share

"A ideologia de gênero. Reflexões críticas "
.Nós enfrentamos a revolução mais insidiosas e destrutivas social. Esta conclusão vem de um livro, uma primeira análise crítica sobre a revolução espanhola social nova.

Sexo ideologia: a Revolucao mais insidiosas e destrutivas social.

 

Jose Angel Agejas | Universidad Francisco de Vitoria


Com um prefácio do cardeal Antonio Cañizares, prefeito da Congregação para o Culto Divino ea Disciplina dos Sacramentos, o volume foi produzido por um grupo de doze investigadores e professores das universidades católicas, de diferentes áreas das ciências sociais.

 

Publicado por CIUDADELA, o volume em suas 400 páginas, faz um estudo exaustivo do social, uma ideológicas, jurídicas, éticas e médicas antropológica da ofensiva ideológica mais ativo na sociedade de hoje.

 

Conforme observado na apresentação do livro, na Universidade Francisco de vitória, em 23 de Novembro, o Dr. Vincent Lozano, Vice-Rector para planejamento acadêmico da Universidade acima mencionada, é um livro corajoso que se atreve a questão politicamente correcto, além disso, um livro de diferentes áreas do conhecimento sólido questões a ideologia de gênero com argumentos.

Como tantas vezes aconteceu na história, observada, o debate substantivo compreendida entre aqueles que acreditam que a formas de convivência e de decisões humanas devem basear-se nos princípios de ordem natural, e que falazmente argumentam que se trata de liberdade de cada pessoa para decidir arbitrariamente suas referents.

A cerimónia de apresentação foi moderada por Cristina López Schligting, jornalista e apresentador do programa de "À noite com Cristina" de rádio que emite a string COPE.

Nas suas palavras iniciais referidas o preâmbulo do livro, assinado pelo Cardeal Antonio Cañizares, onde o Prefeito da Sagrada Congregação para os sacraments alerta que "desde há décadas que enfrentamos uma revolução de cultural nova e grande, um dos mais insidiosa e destrutiva que pode pensar que não há nenhuma natureza, não há nenhuma verdade do Homem".

A partir de sua experiência, Cristina indicou que há uma série de tópicos para nossa sociedade é "proibida": os relativos à identidade e orientação sexual, as relações homem-mulher, casamento, família... E quando não está em conformidade com o dominante a pensar, sempre há chamadas de protesto. Para analisar o que aconteceu chegou à conclusão de que o segmento comum ligando estas questões é manipulado da ideologia do género.

Os discursos de item deram a palavra pela primeira vez ao diretor editorial Antonio Arcones, a cidadela, que reconheceu que a aposta seu editor é colocar em evidência os problemas em que poucos se atrevem a falar, para que nenhum verdadeiro pluralismo no debate de ideias hurte da sociedade.

Falando em seguida, o Dr. aquilino Polaino, professor de Psicopatologia e um dos especialistas que contribuíram para a elaboração do estudo com um capítulo dedicado à análise da "construção social de género".

Nas suas palavras explicaram como a Cimeira das Nações Unidas de Pequim em 1995 foi um momento decisivo para a consolidação dos princípios básicos em que articula a ideologia do género. Brevemente explicado o ideológico cada um deles, que pode ser resumida no carregamento seguinte: sexual "libertação", entendida como a separação radical entre comportamentos sexuais e qualquer das dimensões específicas dos seres humanos.

Por conseguinte, aplicar-se categorias neomarxistas que em ordem para esta versão, substitui a luta de classes, a luta dos sexos.

Um terceiro elemento-chave é a perda da identidade da pessoa, que é privada da sua dimensão sexual constitutivo, porque a proposta do género é o vazio de significado e usurps.

Finalmente, indicado como última consequência grave esta ideologia, a abolição das instituições que constituem um perigo para a sua difusão: a família, a Universidade e a Igreja.

Em seguida, falando de outras especialistas envolvidos no estudo, professor de teoria económica da Universidade de San Pablo-CEU, Dr. Rafael Rubio de Urquía.

Relatado como "a premissa básica da ideologia do gênero - que cada edifício próprio mesmo independentemente da sua natureza sexual - é radicalmente falsa". "Determinação de sexo é constitutivo da pessoa, portanto não existe apenas a persona-varón e o persona-mujer e também para o outro são feitas".

Tal constatação também é garantida pela concepção do ser humano em todas as civilizações na história. Por conseguinte, insistiu, "é uma negação da pessoa humana" e leva-nos para o descivilización muito grave da cultura ocidental.

Urquía Rubio médico também focado em que na sua opinião, o principal problema não é tanto defensores da ideologia do género, mas a aparente apatia da sociedade e singularmente cristãos.

"Podemos ter unbound da tradição da Igreja e a substância da fé cristã, e nos tornamos parceiros e cúmplices comprometer esse processo de descivilizador", denunciaram.

Recordar, para esse efeito, como da Caritas encíclica Veritate, Bento XVI queixa que nós já afastou os pilares da nossa cultura e em particular do conceito cristão de pessoa; que podemos ter caído em materialismo prático, relativismo mental e desconfiança na razão, que tornou possível a ideologia do género no espaço de quarenta anos destruiu uma cultura ancestral.

O Dean da faculdade de Teologia são Dâmaso Madrid e professor de moral fundamental, don Juan José Pérez-Soba, realçada no seu palavras que a ideologia de gênero tráfico para uma pessoa fraca e manipulada, em consequência da dissolução da sua identidade sexual.

Convencido de que ele é uma revolução sexual que "tenha triunfado e foi capturado ao pé da Igreja mudou", tão falhou responder a ela. Delineadas rapidamente uma análise histórica para mostrar como a revolução sexual dos anos sessenta foi um eco outros anterior, que foi bem-sucedida porque ele está vinculado a uma crise moral causada pela queda de Puritanism da década de 1920.

Nesse contexto, qualquer destinados a opor-se a revolução sexual foram tachado de puritanismo em não foram tido em conta. A revolução sexual dos anos 60, também adicionada à separação NET acima entre amor e sexualidade, tornando a sexualidade um consumo de materiais.

Nesta base, como a que se algo consumidos sem mais valor que o usufruto enquanto, sexualidade deixou de ser importante e essencial, portanto, que manipula a capricho, compilações. Desaparece a sexualidade e gênero é exibido.

Neste momento, indicou, quem promover estão experimentando com a construção de uma nova sociedade.

"Eles ganharam a batalha política", denunciou "e agora estão empenhados em ganhar a batalha da educação". "Temos que permanecer à frente e lançar uma proposta: ensinar o amor".

As intervenções dos especialistas reunidos na apresentação celebrados com as palavras de um dos coordenadores do estudo, o doutor em direito e uma licenciatura em ciências religiosas, professor Maria Lacalle, da Universidade Francisco de vitória.

Em seu breve discurso sintetizou algumas das principais consequências da ideologia de gênero está tendo na configuração de um novo modelo de sociedade, através de reformas legislativas e os meios de comunicação.

Tanto a legislação e a mídia, desempenham um papel educacional fundamental numa sociedade que carece de formação e de crítica.

Assim, indicou, "uma das principais consequências da ideologia de gênero é distorção da maternidade, porque um dos seus slogans defende que as mulheres, para liberar totalmente e alcançar a plena igualdade com os homens, devem controlar completamente a sua fertilidade.

Por que razão defensores afirmam aborto livre como uma medida essencial para alcançar a igualdade.

"Por isso - informou - a existência em Espanha do Ministério da igualdade, que parece ter mais conhecido o papel para o aborto ao alcance de uma mulher".

É adicionado a isso, disse, a proposta de um modelo de mulheres auto-suficiente, que não depende de ninguém, e que depende não ninguém. Um mulheres autónomo lidando apenas propriamente dito.

Ele explicou que alguns autores referiram a esta abordagem como "abandono cultural maternidade", que levou a uma distorção da identidade feminina.

O Dr. Lacalle mostrou como também altera a concepção da criança, que já não é um dom que é bem-vinda, mas que é considerado como um direito.

Isso justifica a abordagem que as mulheres, se se considerar que a criança chega no momento "errado", tem o direito de matar; ou se não quando "quer", é fabricado utilizando técnicas de reprodução assistida.

O fato de que "se tornou a vontade individual na fonte do direito", comentou na sua queixa.

Terminou seu discurso com uma proposta: "Mostrar a beleza da maternidade, a profunda significa de complementaridade, descoberta de identidade feminina de ajuda, para que as mulheres possam ser homens e mulheres pode ser homens".


Desarrollado por Digital Development